Início Cidades Sorriso Escolas de Sorriso passam a contar com dispositivo de segurança e apoio...

Escolas de Sorriso passam a contar com dispositivo de segurança e apoio psicológico será ampliado

0

Força-tarefa de vários setores busca promover ambientes escolares livres de violência

Ação rápida. Mobilização. Ampliação do trabalho de fortalecimento da rede de proteção às escolas. A manhã de terça-feira (20 de junho) foi marcada por uma reunião em que o tema “segurança nas escolas” pautou o diálogo entre os representantes do Executivo, do Legislativo, do Ministério Público, das forças de segurança e também de integrantes da Comissão de Criação do Plano Municipal de Segurança Escolar.

“Nos reunimos aqui hoje para buscar formas de atuar de maneira preventiva e evitar que ocorrências, como a que foi registrada ontem, no Paraná, aconteça aqui; e por isso, neste momento, precisamos, além de reforçar a segurança externa, como já vem sendo feito, reforçar o cuidado com a saúde psicológica das pessoas, oferecendo a ajuda necessária antes que tragédias aconteçam”, ponderou o prefeito Ari Lafin.

Botão do pânico 

A oportunidade permitiu que o coordenador do Departamento de Tecnologia da Informação (TI) da Prefeitura de Sorriso, Mec Uzaid Siqueira, pudesse apresentar o aplicativo para celular desenvolvido pela própria equipe que permitirá o acionamento direto das forças de segurança em casos específicos de ataques a unidades escolares.

O “Botão do Pânico”, que no início foi pensado como um dispositivo para ser instalado nas unidades escolares, acabou se consolidando como um aplicativo para celular mesmo. A ferramenta já está disponível para os aparelhos que utilizam o sistema operacional Android e, em breve, também será possível baixar nos aparelhos iOS. Basicamente, explicou Mec, basta o pressionamento por 5 segundos do botão do aplicativo para que, em tempo real, o sistema de monitoramento da Secretaria Municipal de Segurança Pública, Trânsito e Defesa Civil (Semsep) receba o alerta.

“É um sistema que esperamos que nunca precise ser utilizado, mas que sim, está disponível e foi feito por nossa equipe, buscando economicidade e agilidade em todo este processo”, destaca o secretário de Administração (Semad), Estevam Calvo. A iniciativa despertou a atenção e mais de 30 cidades já entraram em contato para também desenvolver a ferramenta.

A Secretaria Municipal de Educação (Semed) já está fornecendo ao TI a lista de todos os gestores que terão acesso ao aplicativo, que também poderá ser utilizado na rede estadual, federal e privada do Município.

Reforço da política de paz

Para que o botão do pânico seja somente um aplicativo que nunca precise ser acionado em Sorriso, é intenso o trabalho para prevenir ocorrências como a de Cambé (PR). Para tanto, lista o presidente da Comissão, tenente-coronel Ilton Botelho, é imprescindível reforçar as políticas de paz nas unidades escolares.

Além de estimular a realização de atividades como os Círculos de Paz, que passam a ser implementados a partir da formação de facilitadores desta prática, por meio da parceria com o Poder Judiciário, Botelho também propõe atividades como cultos ecumênicos, combate ao bullying, e ações baseadas em comunicação não violenta (CNV).

Novos parceiros para apoio psicológico

Com base no “além de erguer muro, fechar o portão, é preciso fazer uma ponte e oferecer ajuda”, devem ser expandidas as parcerias para ofertar apoio psicológico a alunos, professores e demais integrantes da comunidade escolar.

Para tanto, já estão sendo acionadas as faculdades que ofertam o curso de Psicologia em Sorriso possam disponibilizar suas clínicas-escola para as ações de triagem e acompanhamento de quem precisar do acompanhamento profissional.

Com o reforço vindo das faculdades, será potencialmente expandido o trabalho terapêutico já realizado por equipes da Semed e também da Secretaria Municipal de Saúde e Saneamento (Semsas).

Respeito às unidades escolares 

Justamente para garantir a tranquilidade nas unidades escolares, a promotora de Justiça Maisa Fidelis afirmou, durante a reunião, que “não é possível entrar para fazer abordagens nas unidades escolares sem que essa entrada seja pacífica e devidamente agendada”.

DA ASSESSORIA